Facebook Twitter RSS

PARANÁ: Justiça considera greve dos professores abusiva e decreta retorno imediato das aulas


Redação: Felipe Ribeiro e Juliano Cunha (Portal Banda B)
Foto: Divulgação APP-Sindicato
Cerca de seis horas após professores e funcionários de escolas decidirem seguir em greve, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) considerou a paralisação abusiva e decretou o retorno imediato às aulas, sob pena de R$ 20 mil por dia à APP-Sindicato. O despacho, assinado pelo desembargador Luiz Mateus de Lima e publicado na tarde desta quarta-feira (4), diz que uma greve venha a comprometer o interesse da coletividade deve ser considerada abusiva. A ação autoriza uso de força policial, se necessário

Segundo o desembargador, o período é “extremamente prejudicial a milhares de estudantes”, que estão sendo as maiores do impasse. “A permanência do estado grevista afetará também o calendário escolar, pois ainda que haja a reposição de tal carga horária no futuro, é inegável o prejuízo quanto aos conteúdos disciplinados, uma vez que não serão ministrados com a mesma qualidade do que se fossem no período regulamentar”, diz a ação.

Hoje, cerca de 20 mil professores e servidores da rede estadual de ensino decidiram manter a greve por tempo indeterminado. A decisão, de forma unânime, foi tomada no Estádio Durival Britto e Silva. A paralisação dos professores completa hoje 24 dias e a maioria optou pela continuidade da greve com a justificativa de ausência de propostas concretas por parte do Governo do Estado. Após a assembleia, os professores e servidores seguiram em passeata até o Centro Cívico.

O pedido de liminar foi feito pelo governo do estado na última sexta-feira. No sábado, a Justiça já havia determinado que 30% dos professores do terceiro ano do Ensino Médio retomassem as atividades.

Sciarra fez o anúncio à imprensa (Foto: Juliano Cunha – Banda B)
De acordo com o secretário-chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, o governo recebeu com serenidade a decisão de continuidade da greve, mas espera que as aulas comecem já amanhã. “Teremos algumas dificuldades em algumas escolas e espero que em até três dias tudo se normalize. O governo sempre esteve aberto ao diálogo, temos uma pauta esgotada e o fato da demora na realização da assembleia nos mostra que a greve se tornou exclusivamente política”, disse.

Outro lado

Em nota, a APP-Sindicato informou que não foi notificada da decisão e que a greve continua. “A interpretação da direção é de que a greve vem seguindo todos os procedimentos previstos na lei. Lamentamos a decisão de um governo que se nega ao diálogo com os trabalhadores e recorre a outros poderes para tentar por fim a uma manifestação legítima da categoria que conta com o apoio incondicional da população. O sindicato recorrerá da decisão tão logo seja notificado”, disse o sindicato.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

  • Facebook
  • Twitter
  • Myspace
  • Reddit
  • Stumnleupon
  • Delicious
  • Digg
  • Technorati
Postado por: Blog Congotícias
www.congoticias.net