Facebook Twitter RSS

Cavalo agoniza por quatro dias e acaba morrendo em Cornélio Procópio


Um cavalo agonizou por pelo menos quatros dias em uma chácara na região de Cornélio Procópio depois de quebrar uma das pernas, ou sofrer uma grave contusão na coluna. O cuidador do animal, que não soube precisar o que ocorreu, de nome Rorlando Devilson da Silva procurou a Vigilância Sanitária em busca de ajuda, porém ninguém se prontificou a socorrer o cavalo no momento que acabou morrendo.

A equipe de reportagem do site Anuncifácil foi acionada na segunda feira (12), após receber a informação que o cavalo passava por maus tratos na Chácara São Judas Tadeu e depois de constatar que de fato o animal sofria de um mal pior, o veterinário Rafael Haddad foi procurado como de costume, este que sempre ajuda em situações que envolvem animais, mas o veterinário não estava em Cornélio Procópio, contudo garantiu via telefone, que assim que voltasse tentaria tratar do cavalo que foi encontrado muito doente caído ao chão.

Ainda na segunda feira, apesar do Sr. Rorlando tentar de tudo para salvar o animal, inclusive, o alimentando diretamente na boca, o cavalo foi dado como morto.

Na quinta feira (15), a equipe do Anuncifácil foi novamente procurada por populares que relataram que o cavalo ainda estava vivo, apesar da situação precária que se encontrava.

Tentando resolver o caso, a Vigilância Sanitária do município foi acionada pela equipe do site e a funcionária Zilda que atendeu ao telefone, informou que a veterinária Luciana Emanuela Pereira poderia ajudar, mas ela não se encontrava no momento.

Zilda, em um gesto de solidariedade entrou em contato com Luciana, que se prontificou de imediato em encerrar o sofrimento do cavalo, visto que não havia mais o que fazer.

A veterinária buscou medicamentos para realizar uma eutanásia e não encontrando foi obrigada a comprar o remédio usando recursos próprios, com ajuda de Rafael Haddad que voltava para Cornélio Procópio, mas não foi preciso, sendo que o animal morreu antes do procedimento.

De acordo com a veterinária, houve muita demora em atender o animal independente de culpa. O caso não é de responsabilidade da Vigilância Sanitária diretamente, mas algo poderia ser feito pelo simples sentimento de humanidade, salientou a Luciana que lamentou o ocorrido.

Por outro lado, o veterinário Rafael Haddad levantou a questão do atendimento e a falta do medicamento, criticando o departamento público que mais se importa em procurar culpados do que resolver o problema, visto a prefeitura tem condições de atender este tipo de ocorrência de forma imediata, evitando o sofrimento de um ser vivo por falta de sensibilidade.

Em resposta ao ocorrido, o chefe da Vigilância Sanitária, André Pacheco, afirmou que o Sr. Rorlando foi orientado a procurar a Secretaria da Agricultura ou a Associação de Proteção aos animais, pois seu departamento não tinha competência para agir, no que se refere a sacrificar o animal.

Após a morte do cavalo, o diretor do Serviços Urbanos do município, Luiz Rosa de Oliveira, foi avisado pela equipe do Anuncifácil do corrido e este assumiu a incumbência de enterrar o animal na manhã de sexta feira (16).

Apesar de não podermos salvar o animal, gostaríamos de agradecer os veterinários Luciana e Rafael pelo empenho, como também a gentileza do Sr. Luiz Rosa, pelo gesto de cortesia.




Fonte: AnunciFÁCIL

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

  • Facebook
  • Twitter
  • Myspace
  • Reddit
  • Stumnleupon
  • Delicious
  • Digg
  • Technorati
Postado por: Blog Congotícias
www.congoticias.net