Facebook Twitter RSS

Vereadores tomam posse e voltam para a cadeia em Foz do Iguaçu


Redação: Edson Ferreira - Folha de Londrina
Cârama de Foz do Iguaçu
(Foto: Reprodução)
Sob protestos e gritos de "vergonha" de dezenas de pessoas, cinco vereadores de Foz do Iguaçu (Oeste) deixaram a prisão e foram escoltados pela polícia para tomar posse na Câmara Municipal, na manhã dessa quarta-feira (18). Anice Gazzaoui (PTN), Rudinei de Moura (PEN), Darci Siqueira (PTN), Edílio Dall’Agnol (PSC) e Luiz Queiroga (DEM) estão presos desde o mês de dezembro, quando houve a deflagração da quinta fase da Operação Pecúlio, que apura corrupção na Prefeitura de Foz do Iguaçu por meio de fraudes em licitações para a área da saúde.

A sessão tumultuada envolveu vários segmentos da segurança pública, como as polícias Militar e Federal, além de agentes penitenciários e Guarda Municipal. A Justiça concedeu liminar autorizando a posse dos investigados porque eles foram presos após a diplomação. Para o presidente do Observatório Social de Foz do Iguaçu (OSFI), Juliano Bicicgo, a cidade está passando por um momento "muito difícil". "A nossa posição é de repúdio a essa situação. Mesmo que estejam se defendendo na Justiça dos crimes que são acusados, não vemos com bons olhos pessoas saindo da cadeia, escoltadas, tomando posse como vereadores e voltando para a prisão." Os parlamentares assinaram o livro de posse, fizeram o juramento e voltaram para a detenção.

A Operação Pecúlio atingiu 12 dos 15 vereadores no final do ano passado – dois foram soltos e cinco não foram reeleitos –, investigados pela Polícia Federal por suposto recebimento de mensalinho em troca de apoio político aos projetos do Executivo. O ex-prefeito Reni Pereira (PSB) chegou a ser preso no mês de abril, por suposta participação no esquema. A vereadora Anice Gazzaoui já havia assinado o livro na semana passada, mas a Justiça considerou o ato nulo, porque não havia representantes da Mesa Executiva na ocasião. Foi determinada pelo Judiciário a realização de uma sessão para a posse, realizada nesta quarta.

De acordo com Bicicgo, Foz do Iguaçu precisa retomar a ordem administrativa para sair do noticiário negativo. "Depois de várias fases da Operação Pecúlio, a credibilidade destes órgãos públicos perante a população caiu demais", lembrou. Apenas oito parlamentares estão no pleno exercício do cargo, tendo em vista que a presidente da Casa, Inês da Saúde (PSD) assumiu a prefeitura depois que o eleito para o cargo, Paulo MacDonald (PDT), teve o registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral. O vereador Beni Rodrigues (PSB) está entre os que já deixaram a cadeia, mas não assumiu a cadeira.

Apesar do cenário trágico, o presidente do OSFI relatou práticas positivas dos novos vereadores. "Estão se reunindo todos os dias para discutir os problemas da cidade mesmo com o Legislativo em recesso, já anunciaram que haverá cortes de comissionados e até agora não chamaram suplentes nem assessores para evitar gastos", falou Bicicgo. "Ainda há esperança."

A reportagem procurou o presidente da Casa, Rogério Quadros (PTN), mas ele não deu retorno ao pedido de entrevista.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

  • Facebook
  • Twitter
  • Myspace
  • Reddit
  • Stumnleupon
  • Delicious
  • Digg
  • Technorati
Postado por: Blog Congotícias
www.congoticias.net